Enfim ele chegou

Sempre imaginei que ele chegaria por volta dos meus 25 anos, sempre soube que  não enrolaríamos para ficarmos juntos, assim como sempre acreditei que eu saberia que ele seria O CARA, no momento em que nossos olhos se cruzassem.

Sabe como é, na vida nada acontece exatamente como imaginamos, e ainda bem que é assim! Eu o conheci aos 29, logo eu que sempre tive queda por morenos, no dia em que avistei esse branquelo, tive um tombo (rs*).

Nos conhecemos em um dos nossos lugares favoritos, na praia.  Eu estava tomando sol com as meninas e ele estava caminhando com uns “camaradas”. Eles se aproximaram da gente e o bonitão perguntou se eu sabia de algum evento que teria na praia, eu falei que não. Os amigos dele ficaram de papinho com a minha turma e eu resolvi tomar um banho de mar porque estava com preguiça daquela ladainha: ” O que você faz da vida? Onde você mora? Vem sempre aqui?”.

O bonitão esperou uns minutinhos e depois foi dar um mergulho também. Quando me encontrou no mar, ele perguntou se eu era comprometida ou se eu tinha o achado feio porque deixei ele falando sozinho. Respondi que não era uma coisa e nem outra ( ele sabe que é GATO) mas que eu estava numa fase de ter preguiça de conhecer pessoas e daquele mesmo papinho dos caras galinhas de sempre. Foi então que ele falou que tentaria me xavecar sem galinhagem, eu respondi para ele tentar a sorte porque morei 2 anos no Rio de Janeiro, logo eu era PHD em caras galinhas (rs*).

Conversamos sobre várias coisas na praia, até que um amigo dele foi no mar e o chamou para ir embora. Ele me convidou para ir num churrasco que aconteceria na casa dele no dia seguinte, eu falei que tentaria ir, nos despedimos e voltei para encontrar minhas amigas na areia. Nossa, aí a fofoca começou! Elas começaram a encher meu saco falando que eu tinha que ter beijado o gatinho, que eu era uma medrosa, desapegada enfim, elas me esculacharam. Claro que fiquei doida para dar um beijo nele, mas recuei. Não sei o motivo, mas quis esperar… talvez  fosse medo de me meter em roubada, sei lá…

No dia seguinte eu e minhas amigas fomos no tal churrasco, só posso dizer que no final da tarde, a galera foi ver o pôr do sol na praia e rolou um beijo entre mim e o bonitão. Depois desse beijo rolou mais um e mais um e muitos outros.

De fato eu não o conheci aos 25. Ele não é tão alto como imaginei, nem mais velho, na verdade ele é dois mais novo, inclusive.  Moramos em São Paulo, mas nossos finais de semana são na praia! Ele é muito fã de sertanejo, mas se é para dançar comigo ele até aprende uns passinhos nos vídeos do youtube. Ele ama música eletrônica, eu não curto, mas se é para badalar com ele, eu ouço aquela “barulheira” amarradona a noite inteira só porque estamos juntos.  Somos discretos em relação ao nosso relacionamento, temos o mesmo pensamento que nossa felicidade é para ser vivenciada entre a gente e ninguém mais.

Trabalhamos muito porque temos um estilo de vida regado à viagens, restaurantes bons, shows e para desfrutar de tudo isso, verdade seja dita, tem que ter grana! Durante a semana ele usa terno e eu salto, mas fora do trabalho adoramos nossas alpargatas confortáveis. Amamos golden! Um dos nossos passeios favoritos é ir ao Ibirapuera! Há momentos em que necessitamos de solidão. Ele respeita o meu espaço e eu dele! Somos viciados em Netflix, séries e pipoco com manteiga! Adoramos meditar diariamente!

Sempre tivemos consciência que não somos um, mas duas pessoas que escolheram compartilhar a vida juntos. Raramente brigamos, mas quando rola um estresse deixamos para conversar num momento mais tranquilo.

Quando nos conhecemos, ele realmente estava numa fase galinha e eu estava completamente desapegada,  mas quando duas pessoas se encontram verdadeiramente… a galinhagem passa, o desapego some e o amor surge e então você agradece e finalmente entende que seus relacionamentos anteriores não deram certo porque algo muito melhor estava para acontecer!  ;)

Beijinhos, Mariana Moura